quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Imaginação

Eu nunca soube dizer por onde anda a mágica,ás vezes acho que ela está nas pessoas,e que estas fazem tudo ficar mais leve,mas andei pensando e cheguei a conclusão de que talvez a mágica não esteja em nenhum lugar em lugar algum,ela simplesmente existe sem estar,sem ser,sem nenhum precedente,sem nenhuma consequência,sem causa,sem coisa alguma,sem fatos,apenas existe,e por onde passa,aonde esta,mesmo não estando em lugar algum,ou estando em todos os lugares,deixa um pouco de esperança,cresce um pouco de esperança,alimenta a esperança,e trás de volta os olhos brilhantes,os obrigados,a vontade de viver e acreditar que daqui pra frente vai ser diferente,achei que a mágica estivesse encalacrada nas mãos de um bom velhinho,de uma boa moça,de uma juventude sonhadora,de um lutador incorrigível e acreditava nunca ser portadora de nenhuma mágica,por isso criava em meus pensamentos histórias de heróis romances perfeitos,vidas perfeitas,soluções mirabolantes,planos mirabolantes,onde eu podia ser uma borboleta,uma flor,uma pessoa respeitavelmente boa,e misturava meus sonhos com a realidade,não sabia mais quem era quem,talvez o meu amigo imaginário,nem seja tão imaginário assim,a minha amiga de verdade nem seja tão verdadeira assim,mas era,é,perfeito,é feliz eu sou feliz,no meio dessa confusão o que resta são sorrisos pra demonstrar minha tamanha felicidade de viver presa a dois mundos,a mistura do tangível com o intangível, do real com o irreal,do certo com o incerto,passei a crer que o que chamamos de mágica é isso,a mágica esta ai,na mistura do que transcende a matéria com o material,a imaginação é a mágica,então posso dizer que a mágica anda solta pelo mundo,afinal todos tem imaginação,e que ela nos salve,que salvemos,saudemos a imaginação,ela nos liberta!

domingo, 16 de dezembro de 2012

C c R o E n D f I i B a I n L ç I a D A D E

Dizem que a confiança é um sentimento primordial nas relações humanas,a gente só se entrega se a gente confia,o problema surge quando a confiança se torna uma via única,apenas um confia,apenas um se entrega,não que o outro  não receba,ele recebe,com os braços abertos até,só que ele nunca passa nada,ás vezes retribui com uma palavra bonita,um agradecimento,mas confiança? Confiança n u n c a.
Talvez este nem seja o problema,talvez o problema seja meus pensamentos que sempre acham que todo mundo tem que se entregar e acreditar e claro confiar,mas a cada dia que passa percebo que credibilidade é algo que se adquiri com o tempo,mas será possível que não foi/é suficiente? Sempre fui de me entregar de mais,de querer filtrar tudo que todos tem pra me oferecer e eu juro que tento agradecer e 'pagar' de algumas  formas,a principal delas é colocar como prioridade,pra mim não tem nada mais honroso do que ser prioridade,não eu,mas aquilo que eu amo. Já tentei exigir essa mesma prioridade dos outros,quando percebi que estava dando murros em pontas de faca,resolvi parar,afinal cada um tem suas prioridades,e nem sempre as suas são entendidas.
Tenho em mim uma necessidade incessante de fazer acontecer e quando vejo algumas pessoas colocando obstáculos desnecessários pra que outros também o façam,juro que me dá um louca vontade de gritar pra pararem,afinal pra que complicar uma coisa que não pode e não precisa ser complicada?
Por favor uma dose de credibilidade com um pouco de confiança...Só pra gente se [rea]firmar.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Chega

Eu não aguento mais! Mas também não aguento largar,então preciso arrumar alguma forma de fingir que esta tudo bem,que sou calma,que tenho calma e seguir,posso repetir várias vezes que não quero mais,que vou deixar de lado,mas é só passar cinco minutos lá estou eu novamente,cansa,eu sei,eu sinto que cansa,principalmente agora,parece que as coisa/pessoas resolveram soltar todo o peso em cima das minhas costas,na verdade eu resolvi pegar todo o peso em minhas costas,mas como eu disse eu tenho que aguentar,porque não aguentaria a dor da perda,preciso sim remanejar e dar um basta em certas coisas,em certas coisas minhas,como por exemplo o perfeccionismo,o pior é a negação,imagina:eu perfeccionista? NUNCA,o aceitar acredito que seja o mais difícil é difícil a gente perceber nosso erros,outra coisa que mata é as consequências desse perfeccionismo,porque eu não posso errar,se eu erro eu me martirizo,se as pessoas percebem o erro agravam uma ferida aberta,ai vem a decepção,e eu choro,esperneio,digo que vou sair e  que eu sou o problema,ai passa e cinco minutos depois lá estou eu novamente,eu me cobro de mais,exijo de mais,e se não dá certo,me mato demais,as pessoas percebem isso,é tão fácil saber quando estou nervosa,chata, estressada,e ultimamente tem sido com tanta frequência mas de verdade eu não aguento mais,preciso parar de pegar a responsabilidade de coisas que não são minhas,preciso aprender a falar não,e a não falar dos outros,preciso parar de me cobrar tanto,a gente não pode cobrar de uma pessoa mais do que ela pode dar,mas parece que eu conseguia,e mais uma vez é difícil assumir o erro,e parar pra refletir,o comodismo ás vezes é tão comodo que até me agrada!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

"Que a certeza não escorregue,feito pedra de sabão..."



Indomada tentou negar tudo que lhes diziam,nada podia ser verdade, afinal como ter certeza de algo que tem como suporte a incerteza? Ela queria acreditar, queria poder pegar tudo e saber que era verdade, não porque havia comprovações,mas simplesmente porque acreditava,e isso basta,ou devia bastar. Mas preferia não crer,talvez pra não criar grandes expectativas e quebrar a cara,pois sempre diziam que quanto maior a altura, maior o tombo, então preferia se manter no chão pra não correr o risco de estabacar-se.

Depois de alguns devaneios percebeu que o que mais machucava não era o não acreditar,e sim, o não confiar,a sua não confiança em si era tamanha que ninguém conseguia depositar um pingo de fé,isso sim a machucava,e a desacreditava,e fazia perder as vontades de voar.Percebeu porém que seus vôos não deviam depender das asas dos outros,e ela não podia querer que os outros a ajudassem,não podia exigir que as pessoas ao seu redor tivesse as mesmas vontades,não podia querer que os quereres dos outros fossem como os seus quereres,não podia exigir confiança,podia apenas se desprender de tudo que a acorrentava,pra ver se assim ficava mais leve,adormeceu e foi em busca de seus pequenos desejos.




domingo, 4 de novembro de 2012

V o l t a s

Pode ser que seja excesso de orgulho,falta de maleabilidade,maturidade ou sei lá o que,mas é difícil se sentir fora e fingir que esta dentro,é como se eu tivesse tentando encaixar uma peça no lugar que ela não é,ou talvez até seja, porém ela esta virada,e o virar não é tão fácil,a gente se acostuma com os lados,com as pessoas,e quando estas mudam (sim,lados e pessoas mudam com uma rapidez inexplicável) é difícil se encaixar de novo,é claro que eu também mudo e com a mesma rapidez como todas as outras coisas e pessoas,e uma característica muito forte da 'mudança' é que ela sempre nos leva a novos ares,e infelizmente nem sempre são os mesmos daqueles que amamos ou que amávamos, se é que podemos deixar de amar alguém,porque quando se ama,não se deixa.E esse mudar para novos lugares,novos lados,novas pessoas,com novas pessoas,nos distanciam,porque estamos em tempos diferentes,é pode ser,tempo,é isso,não é que eu não queira estar,claro que eu quero,mas me incomoda,algumas poucas coisas que eu não consigo me abster me incomodam,e pra não ser chata, inconveniente ou chegar a um ponto de nem me chamarem mais é melhor eu me afastar mesmo,pra que ir contra? Sempre disse pra quem quiser ouvir que só devemos continuar em algo quando este nos faz bem e nos traz mudanças,mas se fosse assim,só assim,eu continuaria,mesmo não me encaixando,continuaria pelo mesmo orgulho que eu disse agora pouco,mas também acredito que a gente sabe quando incomodamos,e se continuamos é porque queremos que alguém se estresse ou fique triste,e eu não quero,não quero mesmo então prefiro parar,pronto,parei...não,não sei por quanto tempo vou aguentar,mas tentarei,e se eu tiver me auto mutilando,ai eu volto,talvez seja tarde demais, talvez eu me arrependa,mas não quero e não posso incomodar,porque amo,e incomodar quem eu amo é me auto mutilar.
E se a gente começasse do zero,do tipo: ''Oi,tudo bem? Meu nome é fulana,tenho tantos anos,e sou inconstante,muito prazer.'' e fossemos lentamente,pra que colocar um catalisador pra aumentar a velocidade de algo que o bom não é o final,e sim o processo? Por favor não criemos culpas,vamos ver aonde vai dar,vamos ver aonde a mudança nos levou,transformações são essenciais então deixa,deixa que o tempo ajeita e os lados voltam,as pessoas voltam,a gente volta.

domingo, 28 de outubro de 2012

...reticências...

Embora eu seja a dona de minhas próprias palavras me pego tropeçando nas minhas reticencias...e me perco nessa imensidão de pensamentos,só queria ficar constantemente quieta e afastada com todos estes ...pensamentos... que me apetecem e que nem sempre são quietos,tenho uma necessidade de entendê-los e aceita-los e decifrá-los que é sempre tão encantadora...eu nunca digo não...e quando me perguntam o que é que eu fiz, e eu respondo com todo o animo do mundo que eu pensei e de tanto pensar me perdi,e que quase nunca volto a me achar, não por preguiça mas por vontade de ficar naqueles ares novos que me permitem a descoberta de partes até então desconhecidas,porque talvez perder-se seja a melhor forma de achar,atuar seja a melhor forma da verdade,sorrir seja a melhor forma da subversão,escrever seja a melhor forma de sentir ...me sufoca ter tantas coisas pra falar e tão pouca coragem pra dize-las...

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Despertar

Quando as borboletas já adormecidas dentro do meu ser resolvem despertar e bater as asas, me despertam uma loucura doce que me impulsa a sair correndo, descobrindo e redescobrindo, não é vontade de sair do meu universo, mas simplesmente querer conhecer o desconhecido e poder contar pro mundo o quanto de beleza que nossos olhos não conseguem enxergar, o quanto de beleza que eu não consigo ver. É uma grande pena que essa cegueira não seja dessas que possam ser curadas, ou amenizadas,com as tais lentes divergentes, convergentes, e sei lá mais gentes.Não sei se posso chamar isso de liberdade, ou até mesmo nostalgia, mas é uma mistura de alguma coisa, com coisa nenhuma, coisa que corta a alma...

domingo, 30 de setembro de 2012

Catarse

Pandora por um lapso de curiosidade abre a caixa que havia recebido de presente e desprende todos os males da terra e a partir da abertura o ser humano não pode melhorar a sua condição sem enfrentar adversidades,e todos aqueles sentimentos até então reprimidos por nosso próprio consciente são botados a tona, afinal só resolvemos algo quando explicitamos e nos libertamos dos mesmos.A liberdade sempre foi sinônimo de independência,permissão,autonomia,mas até quando temos autonomia e coragem pra nos libertar?Seria aprofundar demais e o superficial sempre foi mais cômodo,ai a gente vai e se acomoda com a -re-pressão,se acostuma a infelicidade,e quando percebemos estamos carregando o mundo em nossas costas,mas somos narcisos demais pra olhar pro lado e perceber que há outras coisas e pessoas,a vida seria mais bonita se deixássemos levar por toda essa catarse que nos bate a porta diariamente.


quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Inverso


a sensação é de uma brisa leve a me guiar
uma estrela cadente que me arrepia
a busca de um pote de ouro nos olhos
e lagrimas no arco íris
do relógio do campo
do tic-tac do coração
o reverso é encantador
que eu te reverse nos versos
e te inverta pra entender 

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Direita...esquerda...cruzado...um abraço...


''No ringue das relações humanas, há sempre o risco de ir a nocaute. A gente pode abandonar certas coisas. A gente pode inventar. Afinal, a vida não é bonita o bastante.''_Quatroloscinco

                                            { Direita,esquerda ,esquerda,um sonho...}
As vezes eu me pergunto se vale a pena dizer 'sim' pra mim mesma,ou se é melhor me acostumar e acomodar e adaptar as circunstâncias, aos fatos e tudo mais que a vida me impõe ou o que eu me imponho e coloco a culpa no outro,porque o fracasso apesar de meu, a culpa é do outro,nunca fui mulher o suficiente pra dizer que errei,e que sim fracassei,e que não tinha tanto poder assim de mudar o mundo e as coisas do mundo,afinal não consigo nem me mudar,e nessa involuntariedade sem perceber fui vítima de meu próprio medo,me entreguei quando o que eu queria era me esconder.

                                             {Esquerda,cruzado,direita,uma palavra...}
Nunca quis magoar ninguém,ninguém mesmo,sempre preferi deixar as palavras soltas pra que estas fizessem o favor de se [des]organizar e mostrar o que eu queria dizer,pra que se desse algo errado eu poderia me esconder entre as entrelinhas tão abertamente expostas,a gente pode inventar e reinventar,pode até abandonar certas coisas,afinal, quem vai me condenar? 

                                              {Cruzado,cruzado,esquerda,um animal...}
Talvez o consentir tenha feito da minha vida,a minha não vida e sim a das vontades, nessa utopia eu criei um mundo,onde tudo era perfeito,e a vida era bonita o bastante pra que minha infelicidade se camuflasse e eu acreditasse na minha própria mentira.

                                            {Direita,direita,esquerda,um nome...}
Os pretextos mudam mas os questionamentos são os mesmos,até quando eu vou me disfarçar pra que não me vejam, eu não sou a metade do outro,sou o meu inteiro tentando me agregar nessa briga de sentimentos,afinal somos um todo inteiramente revestido por sentimentos.

                                           {Cruzado,esquerda,direita,uma música...}
Eu me lembro de tudo que ganhei e também o que perdi,as lembranças me suportam,porque independente de tudo eu ainda as tenho, o resto,bem o resto é só uma formalidade! 
 {Direita,esquerda,cruzado...

                                           ... um abraço}

domingo, 19 de agosto de 2012

Impressões



Tenho medo de um dia minha memória falhar e eu esquecer de tudo isso,e esse dia ser apenas um mera lembrança e se igualar com todas as outras lembranças que eu tenho,ai eu procurei, e ainda procuro, alguma forma de deixar isso pregado na história pra que se um dia eu tiver alguma dúvida de como foi,eu ir lá e me consultar,e me reviver, e me reinventar de todas aquelas energias e sentimentos que eu recebi e doei,não é vontade de voltar no tempo e viver de novo,é uma necessidade de manter essas impressões vivas e constantemente frescas pra que todos os dias sejam bonitos e leves! Sabe quando você se pega falando:Nossa! Foi o dia mais legal da minha vida! Mesmo você tendo 16 anos e tecnicamente tendo uma vida pra frente com muitos outros dias e anos e alegrias e etc e tal,mas é que foi dito com tanta verdade,que eu acreditei,acreditei em mim mesma,e não precisei de provas nem teorias, a sensação bastava,a impressão bastava,afinal somos todos impressões!

segunda-feira, 30 de julho de 2012

P e r d e r

Meus olhos estão incrivelmente pesados,sempre preferi esconder o choro e deixa-lo pra mais tarde,ou quando eu estivesse sozinha e onde ninguém pudesse ver que eu também sofria com dada situação,mas desta vez eu me permiti -como se eu tivesse essa autonomia de me permitir- mas eu chorei,chorei muito,e não me arrependo porque como disseram pra mim:"Chora,porque teu choro te acalenta..."o problema nunca foi a perca em si,eu tenho certeza de que ele está em um lugar tão melhor do que este,o problema é eu ver quem eu amo sofrer,e ver minha mãe chorar,e ver o desespero da minha irmã,isso dói,dói muito,sim,a saudade também machuca,pensa eu me desacostumar desse costume de te ver,de te ter?
Quando a gente se desestrutura,é muito difícil se equilibrar novamente,mas ai vem os amigos te dão a mão e falam: eu te seguro,e as coisas ficam tão mais leves e mais fáceis de ser levadas,eu sou eternamente grata a todos os abraços que recebi,parece que minha dor foi distribuída e já não era tão amargo de continuar ali,quantos sorrisos eu não dei quando vi aquele bando de palhaços,que mesmo não estando vestidos de palhaços me fizeram perceber que eu tenho em quem [des]contar.
A aceitação não é tão simples quanto parece,o que me ajuda muito é que na minha memória só há coisas boas,e é assim que eu vou me lembrar,como ter lembranças ruins quando se tem o melhor avô do mundo?

" Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar,coragem para modificar aquelas que podemos e sabedoria para distinguir umas das outras."_Reinhold Niebuhr

terça-feira, 24 de julho de 2012

-de-pen-dên-cia-

Se eu rodopio é porque tenho a certeza de que se eu desabar vou ter braços pra me reerguer,então eu vou,sem medo eu vou,e ai eu gosto,e crio uma necessidade de cair só pra poder te tocar,essa dependência me mata,e eu prefiro me matar,pois antes morrer do que me agoniar com essa espera,e olha que eu sei esperar,mas é que eu nunca tive que me desfazer de algo que eu usasse como uma base,porque se fosse só um apetrecho, que não fizesse diferença no todo eu não teria medo de deixa-lo,mas é que a base faz parte da estrutura e eu não quero me desestruturar,mas é que não deixar não cabe a mim,seria egoismo demais não apoiar e dizer: Vai!! Mesmo querendo com todas as forças que se possa ter, dizer: Fica!! Mesmo sabendo que eu consigo me reestruturar como todas as vezes que se fez necessário,mesmo sabendo que não é pra sempre,que nada é pra sempre,mas é que é bom de mais pra não ser egoísta,e dizer que tanto faz,porque faz sim,faz muita,faz bem ...Vai,que eu fico aqui com o gosto da saudade e com os braços dos abraços que te dei,mas volte porque eu não sou tão forte assim pra aguentar e segurar esse amor que insiste em transbordar...

sábado, 26 de maio de 2012

Necessário? Somente o necessário?

E que esta necessidade de cair em teus braços continue,que estes laços que nos envolve se amadureçam e que dure,que a eternidade não disfaça,que as máscaras caiam e as pessoas percebam quem realmente sou sem todos estes pareceres que nos rodeiam,que eu tenha a consciência  da imensidão de tudo isto que me envolve e me acolhe,que continue,que seja pra sempre,mas pra sempre mesmo,e não vem com esta de que pra sempre não existe,porque tudo o que quero e acredito existe,então meus 'pras sempres' sempre vão existir mesmo que você não dê a mínima.Poderia dizer que o que me impulsiona a continuar é o amor,mais não é só o amor,é também esta necessidade que eu aprendi a ter de todas estas coisas que faz meu mundo ter um pouco de sentido,que faz as peças se encaixarem e o quebra-cabeça passa a ter imagens compreensíveis, ou talvez seja tudo ao contrário e se eu continuo é porque estas coisas bagunçam meus pensamentos,virem o lado,e assim com as coisas fora do lugar eu consiga ver as coisas de outro anglo e estas passam a ter uma acepção,as vezes assim com as minhas vistas bagunçadas este mundo esquisito não se torne tão estranho e medonho e que desta forma,tendo lugar pra usar uma dose de loucura eu consiga deixar todas estas máscaras que me prendem,que eu me descubra,se é que isto é possível,e se for que esta descoberta seja única,e que eu aprenda a não me apegar,me tornando assim suscetível  a todo e qualquer sentimento,que eles venham sem me prender,e que eu os deixe sem os algemar,pra que eu não torne escravo,nem senhor de nada,nem ninguém,que esta necessidade que eu alimento pelas coisas passe,pra que eu ame,e faça simplesmente por amar,não por necessidade mas por amor mesmo,e que este amor transborde a tudo,a todos,ao mundo que amo e necessito amar tanto!

terça-feira, 22 de maio de 2012

go away...

Eu ainda não sei dizer com palavras claras o que realmente falta,muito menos o que sobra,mas sei que temos uma força de mudança incrível,e a única coisa que desejo é que consigamos tirar desse mundo que Platão afirma ser inteligível todas essas ideias que estão tão irrequietas nas nossas cabeças,quero que as coisas se clareiem pra podermos entender o que realmente é possível...e vendo agora de outro anglo e com a cabeça um pouco mais calma,percebo que sempre soubemos o que é possível,não diria que tudo é possível,mas tudo que acreditarmos e nos doarmos para tal,porque talvez o  Charlie Brown Jr. esteja certo ao dizer que o impossível é só questão de opinião,me acalma muito saber que há pessoas que já não conseguem mais ver certas coisas e deixá-las como estão,e deve ser verdade que não temos noção nem de quem somos,então como vamos ter noção da imensidão do que podemos e queremos fazer?Sempre ouvi que não podemos abraçar o mundo,afinal somos muito pequenos diante dessa infinidade que nos envolve,mais será que se não dermos as mãos não conseguimos ir mais longe?Será que assim juntos,nossos braços não fiquem maiores e conseguimos chegar um pouco mais além do nosso quintal?Tenho medo,medo das pessoas se cansarem,porque não é tão fácil assim,não basta dizer:''Eu tenho estrutura.'' O problema - se é que possa ser chamado assim - é tão maior do que imaginamos,mas não importa afinal: queremos, e o importante sempre foi isto não foi? QUERER! Mais esse querer ainda não foi suficiente pra sanar meu medo,tenho medo de toda esta burocracia,tenho medo de desistirem no primeiro não,tenho medo de me deixarem sozinha com todos estes sonhos e mesmo assim não aprender a dizer não,tenho medo das pessoas continuarem acreditando que as coisas só podem ser feitas de uma forma,por isto me ajudem,me ajudem a mostrar que sim,existem outras formas,maneiras ou sei lá o que,mas que existe,tenho medo de rirem de mim,afinal quem vai acreditar em uma menina de 16 anos que pensa que pode mudar o mundo?Não,eu não quero mudar o mundo,muito menos as pessoas do mundo(quem sou eu pra tamanho desatino),eu quero que as pessoas se mudem,e que a iniciativa parta delas próprias,quero mostrar,mostrar tudo o que é possível,e que sim temos esse tal poder transformador.Agora já esta tudo mais fácil,eu já não tenho devaneios,parei de acreditar,agora eu tenho certeza,e todos esse medos continuam só que de uma forma latente e eles já não me atrapalham mais porque eu vou,mesmo se todos quiserem me parar,afinal eu ainda sei que estou certa,por isto eu continuo,mesmo sem saber aonde isto vai dar...

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Que mal fazia sua falta de brutalidade?

Viveria muitos anos,viveria um século,não queria morrer,um dia tomaria coragem,andaria com a cabeça levantada,seria um homem.Não, provavelmente não seria um homem,seria aquilo mesmo a vida inteira,afinal dizem que pra ser homem tem que falar grosso,levantar a cabeça e ter a certeza de que nunca erra,mas eu não sabia mandar,apenas pedia,sabia perfeitamente que era assim,acostumei com todas as injustiças,já havia me cansado daquelas perguntas sem respostas,havia muitas coisas,eu não poderia explicá-las mas havia,aceitava porque me diziam que era assim,e coisa distante e perfeita,não podia errar.O que desejava...Ah! Esquecia-se.Se não fosse isso...Ah! Necessidade!Descompunha porque podia descompor...Ah!Natural.Tudo em ordem.Podiam ver.Tinha culpa de não ser bruto? Quem tinha culpa? Se não fosse aquilo...Nem sabia.O fio da ideia cresceu,engrossou e partiu-se, difícil pensar.Sim,havia aquilo.Como era? Precisava descansar e aceitar que seriam pisados,maltratados,machucados por um destino já traçado,procurava desabafar,mas não encontrava ninguém,diligenciei para afastar a recordação,temendo que ela virasse realidade,como achei tudo em ordem queixei-me da vida...agora pensava nela com mau humor.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Medos.

Esse medo bobo que eu tenho tenho de você,não é um medo igual ao que eu tinha de bicho papão,é um medo receoso,é como se eu tentasse entender o que passa nesta tua cabeça,é como se eu tivesse medo de saber o que você realmente pensa sobre mim,é como se eu tivesse receio de fazer as coisas pensando no que você vai achar,é um medo de não te agradar,é um medo de você não gargalhar,é um medo da falta de reciprocidade,é um medo,um medo que me enche,e faz com que eu ande devagar,pensativa,receosa,eu tenho medo de que você não me ame como eu te amo,eu te amo com todo o amor do mundo,eu te amo como irmão,não como o irmão que não tive,mas como o irmão que eu tenho e com todo o amor que eu tenho por ele,eu te amo como amigo,mas desses amigos que só se acha as vezes,que não adianta procurar em feira,bazar,nem mesmo em boutiques,pois estes estão espalhados por lugares friamente calculados,e eu te achei,e descobri que aquele medo bobo,não é tão bobo assim,afinal eu tenho um medo imenso de te perder...

Uma,duas,três...

Eu esfreguei minhas pálpebras afastando alguns pedaços de sonho que ainda restavam sobre meus olhos,olhei para o céu, havia muitas estrelas,e comecei a contar,as contava pra tentar esquecer,esquecer tudo que me afastava da minha própria felicidade,e percebi que na ânsia de esquecer,me esqueci, me esqueci porque a causa de todas as minhas infelicidades era eu mesma,confesso que fiquei um pouco perdida, assustada, e até mesmo surpresa nunca imaginei que eu pudesse ter tanto poder sobre mim mesma e eu me dava bem com a ignorância.Tinha o direito de saber?Tinha?Sim tinha.

domingo, 22 de abril de 2012

...and I'm still waiting...

E deve ser verdade que a pressa seja a inimiga da perfeição,olha quem foi me dizer isto,logo você que diz que não podemos perder tempo,que a demora nem sempre quer dizer que fizemos ''direito'',e quando eu resolvo ir com minhas próprias pernas,você vem me dizer que eu estou errada? Me desculpa não queria te contrariar, é que realmente não tenho mais tanta paciência pra certas coisas,creio que nunca tive,dizem que não perdemos a paciência,que quando a temos,temos em todas as horas,então deve ser que eu nunca tive.E pra você ver como tudo é ponto de vista,eu nunca imaginei que o que eu fiz foi errado,e na verdade não me arrependo,e não eu não acho que não esperar -quando não se sabe que alguém vai chegar- seja falta de paciência,tanto que eu não estava te esperando,porque eu não sabia que você viria,afinal eu nunca sei quando você vem,e quando vem,vem sempre sem avisar,e se todas estas vezes que você chegou atrasado e sem me avisar e mesmo assim eu estava te esperando é porque no fundo eu ainda tinha a esperança de sua volta e se hoje eu já não ligo mais,não pense que é porque não sinto falta,sim eu sinto,mas cansa,cansa muito,e cansei de gastar uma coisa que já estava desgastada há tempos,se eu errei me desculpa,de verdade não era e minha intenção,só quero que você perceba que não sou adivinha e que não tenho a obrigação de saber de tudo,sou humana,tenho o direito de errar,o que peço é que não fique com raiva de mim,pode até me esquecer mas não fique com raiva,ódio,ou mágoa,não é e nunca foi minha intenção te fazer sentir todas estas coisas ruins.Olha que engraçado,eu aqui dizendo todas estas coisas sem saber ao menos o que realmente aconteceu,talvez o que tenha ocorrido tenha sido tão pequeno que você nem notou,eu tenho esta tendencia a aumentar as coisas,parece que uso lentes,que enxergo tudo maior,e tomara que tudo o que acho que aconteceu não tenha acontecido,porque você ainda é muito importante pra mim,e o que quer que aconteça que essa amizade e esse amor que nós sentimos e manipulamos seja por nós mesmo ou por tudo aquilo de maior que nos liga continue porque é bom sentir isto,e que seja bom pra todo o sempre...

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Sonhar

Por favor pare de tentar fazer com que eu aceite as coisas como estão,eu insisto em negar que não se pode mudar nada,deixa eu pensar que consigo segurar todos estes sonhos com meus pequenos braços, deixar eu me embriagar com estas ideias de ser diferente pra eu poder imaginar que as coisas vão mudar,e claro pra melhor,me ajuda,me ajuda porque sozinha eu já não aguento mais,não aguento ver tantas coisas fora do eixo e não ter ninguém pra me ajudar a ajeitar,estou cansada de ver tantas coisas horríveis escancaradas pra todos verem e estas continuarem em seus mundinhos fingindo não ser com ela,cansei de tanta imparcialidade,eu sei que não tenho estrutura alguma pra segurar estes sonhos em minhas mãos por isto estou pedindo tua ajuda!Quem sabe um pedaço de estrutura com mais um pedaço não dê uma inteira?Não quero que solte teus sonhos no chão pra segurar estes que estão nos meus braços quase caindo,quero apenas um pedaço de tua mão pra me ajudar a carrega-los se caso não conseguirmos,não vamos arrepender,porque entre tentar e consegui é um passo,longo e árduo,porém é um passo que pode ser feito dançando e com milhões de sonhos nas mãos,então por favor vamos,já não consigo mais aceitar as coisas da forma como estão,a prateleira está muito bagunçada acho que chegou a hora de arruma-la,colocar os potes mágicos em ordem,os sonhos do mundo em ordem,os nossos sonhos em ordem...na verdade acho que chegou a hora de sonhar em realizar nossos sonhos que dizíamos irrealizáveis...

domingo, 8 de abril de 2012

Extra...ordinárias

E que seja absurdo porque talvez tudo o que é belo seja absurdo,e eu busco o belo,sempre busquei,você sabe disso,busco o belo porque pra mim não há nada que descreva melhor do que esta palavra,o que ela descreve? Bem,ela descreve tudo o que almejo,busco que a vida seja bela,que nós sejamos belos,que a felicidade seja bela,que tudo e que todos sejam belos,que quando nos olharmos vejamos o que realmente somos,que ser belo é isso,é se mostrar,seja repleto de pecados -não só os sete,mas de pecados- pra que no fundo não sobre apenas a esperança,mas também a beleza do desvendar,que esta seja sopros pra nossa própria mudança,seja de dentro pra fora,ou de fora pra dentro,mas que seja,pra ver se paramos de servir como estacionamento das malezas humana,não estou te pedindo pra domar teus sentimentos ou mesmo joga-los fora,te peço apenas pra pensar até quando você é responsável por teus atos,não,não é fácil,há tempo que eu tento e até hoje não consegui,a razão nunca foi meu forte,e eu digo isto pra quem quiser ouvir,e talvez seja por isto que gosto de mitos,de deuses,de coisas extraordinárias,elas me traduzem,e não, eu não enlouqueci,estou totalmente sóbria,e se estas palavras te soam soltas,tente sair um pouco do ordinário e viver um pouco ludicamente,tudo fica mais fácil,faz de conta minha filha,faz de conta...

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Desculpas

É eu sei que não me conheço bem,tanto que não sabia o poder que tinha sobre você,sim,eu me assustei quando descobri,e não,eu não queria!Queria que você tivesse liberdade sobre os teus atos,pra nunca poder dizer mesmo que com palavras soltas que eu te manipulo,nunca quis ter nenhuma marionete em minhas mãos. As tuas palavras me machucaram, feriram meu ego,calma, a raiva já passou -se é que ela existiu- e passou porque eu consegui enxergar que realmente você estava certo,reparei que as coisas mudam seja por meus argumentos seja por minha  teimosia ,eu prometo tentar parar,não sei como,porque é tão involuntário que quando faço nem percebo,e quando percebo já é tarde de mais,é difícil segurar,parece que é sempre necessário dar minha opinião,mesmo que ela seja a mais desnecessária e inútil mas ela tem que ser dita,nunca deixei que as palavras ficassem presas em minha garganta e se nunca disse nada na tua cara,foi pra não te cuspir coisas grotescas demais,você se magoaria,e magoa é um status que não desejo pra ninguém,então preferia dizer estas palavras aos meus próprios cadernos,eles sempre me entendiam e pronto! tinha achado um refugio não ficava engasgada e por isso não precisava te dizer mais nada,eu estava bem,mais parece que você não,você realmente sentia a necessidade de ficar me dizendo coisas,jogando todos os meus defeitos na minha cara,foi bom,eu percebi que meu espelho era esférico demais,eu me olhava e o que eu via não era a soma de todos os outros como eu pensava,era a minha fértil imaginação que me mostrava de um jeito que eu não sou,ela criava mascaras e eu me escondia atrás delas,e destas foi feito um labirinto tão grande que eu me perdi,me perdi em meus próprios pensamentos e nas minhas próprias suposições,assim fui criando um mundo só meu,e nesta utopia achei que todos pensavam e agiam conforme a minha música,e agora percebo que esta música toca apenas no meu fone de ouvido e que as vezes eu o empresto para algumas determinadas pessoas e elas passam a entender pelo menos um pouco do maravilhoso mundo de Maria Laura,e agora,depois de meus ouvidos filtrarem tudo que você fez questão de me dizer,eu entendo o quão egoísta eu sou,o que eu tenho a dizer? desculpa,é é isso,me desculpa...

terça-feira, 27 de março de 2012

Descomplicando...

Evitemos complicar o que diz respeito ao coração e que o que realmente importe seja amar,e que ser amado seja uma mera consequência.

Reflexos

E eu vou tentando ser um espelho pra poder te refletir,e as pessoas verem as mesmas coisas maravilhosas que eu reparo,e que esse reflexo seja a imagem do infinito,o nosso infinito,o meu junto ao teu,e não tente buscar a imagem original não existe nenhuma eu sou e sempre fui a soma de tudo que me cerca,que nesses reflexos as pessoas vejam tudo o que passe despercebido pra que assim,percebam o quão o mundo é mais do que um perigoso lugar de viver e que ele é,foi e sempre será o melhor lugar pra ser,ser reflexos,espelhos,sonhos, realidade ou mesmo ser apenas pensamentos despercebidos que se foram voando...

sexta-feira, 23 de março de 2012

Dos mistérios...

Estamos em um silêncio profundo,não se ouve nada...nada,dentro de nós estamos inteiramente nus,vestidos apenas com verdades,com pensamentos que nos agrade,um mistério entrelaçando-se com outro mistério,nunca se sabe quando,como,onde vamos parar,e vamos escrevendo nossas próprias músicas,traçadas por um ritmo inconfundível,o nosso próprio impulso,por isso mesmo é tua,é minha,é nossa,e aquele segredo acomodava-se ali,entre nós,e decidimos investigar o que é que nos ligava,e eu com o meu romantismo vagabundo descobri o que era o amor.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Sem meios-termos...

E me disseram que eu me enjoaria,que a repetição é cansativa,que ninguém consegue fazer a mesma coisa por um tempo muito prolongado,e olha eu aqui me esforçando pra ficar cansada,pra eu me cansar disso tudo,pra ver se me convenço de que não vale mais a pena lutar por uma batalha onde o atirador e o alvo sou eu mesma,eu me auto mutilo,e parece que eu não me canso,parece que gosto,só que só parece,porque eu me empenho,me empenho muito em parar com todas essas coisas que só fazem mal a mim mesma,só que eu não consigo,dizer sim é sempre mais forte,sempre parece ser a coisa certa a fazer,minha cabeça diz que não,mas a boca diz que sim,é quando você sabe o que deve fazer só que seu corpo já não te obedece mais,ele vai,mesmo você querendo ficar.
Eu sei que sou fraca,que tenho o orgulho maior do que o mundo,mas não precisava provocar,pra que perguntar se tenho medo?Você sabe que eu tenho,sempre soube,tenho medo do desconhecido,mas quem não tem?Você?Até parece,não precisa me enganar,sejamos sinceros,vamos parar de usar meios-termos,de ficar desviando,cansei dessa ambiguidade,nunca sei se sim se não,um pouco de mistério é bom mas tudo em excesso faz mal,não que você seja misterioso,não,você é até muito previsível,parece que eu sei dos seus atos, antes mesmo de você fazer. Falo como se conhecesse,como se fosse meu cada detalhe,me esqueço que agora nada me pertence,se é que já foi meu um dia.Mas certas coisas que dizemos que são tão ruins,pior até mesmo do que um sonho interrompido,e não há nada mais chato do que sonhos pela metade,ou mesmo que já era o fim e nós que insistíamos em dizer que era o meio,certas coisas nos faz bem e só agora eu pude descobrir que meu coração não bate por ninguém,ele bate por mim mesma,pra me manter de pé,viva,é isto,eu estou vivendo e te garanto é muito melhor do que apenas existir,você devia tentar,tente,tente,tente...consiga!

quarta-feira, 7 de março de 2012

Camuflar

Eu não quero ser perfeita,aliás nunca busquei a perfeição,quero apenas momentos que extraiam o que eu tenho de melhor,que me convençam,que faça eu acreditar que vai durar,mesmo quando eu tenha a convicção de que logo que abrir os olhos restará apenas o pó,e mesmo assim vou querer de novo,e de novo, e de novo... Quero coisas que me surpreenda pra eu sair da mesmice,não que eu não goste de rotinas,de coisas pré estabelecidas,é que quando seguimos roteiros já sabemos o que vai acontecer,e quando não acontece,nos decepcionamos,ficamos com raiva,choramos...olha ai eu colocando no plural como se vocês sentisse o mesmo que eu,logo eu,que afirmo que todo ser humano é único e contém sentimentos próprios,logo eu que digo que não devemos nomear sentimentos porque o que pra mim pode ser amor pra você pode ser compaixão,o que pra você pode ser paixão pra mim pode ser loucura.
Gosto de rotinas,mas não gosto de roteiros,gosto de poder escrever minhas próprias rubricas,para eu mesma poder dizer como devo agir,não que não goste de opiniões nem de diretores,desde que estes me digam a direção e o destino,nunca a forma como devo agir para chegar lá.
Acredito que a vida seria mais fácil sem os sentimentos,que com estes temos a tendencia a desviar de nossos destinos.Mas do que adianta caminhar sem sentir?Do que adianta viver se for pra nos fechar em capsulas que nos protege do mundo e das coisas do mundo?E talvez,só talvez, esses deslizes nos caminhos,estas viradas bruscas,estas paradas grotescas seja o caminho,nós que fechamos os olhos e preferimos acreditar que estamos sempre errados,e sem perceber chegamos aonde queríamos chegar.E de novo coloquei as palavras no plural,não porque creio que sentimos ou pensamos igual apenas porque é mais fácil jogar a culpa pra nós,e não pra eu,é mais fácil dizer que nós deslizamos,quando é eu que deslizo,colocar a culpa no plural sempre amortece a culpa que é minha,unicamente minha,eu ainda vou conseguir parar de me camuflar sobre os sentimentos dos outros e mostrar o que eu realmente sinto,seja com palavras,com gestos,com desenhos,mas que seja.Eu sempre penso que devo parar de agir assim,me camuflando, e eu não paro,então,por favor,me para.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Amar

Dizer que preciso de você,é mentir pra mim mesma,afinal ninguém precisa de ninguém pra viver,ser feliz ou sentir-se completa.Somos seres humanos inteiros,não necessitamos de nenhuma metade,ninguém que nos complete,precisamos talvez de alguém pra nos ajudar a passar por alguns momentos,momentos que sozinhos daríamos conta,mais juntos é mais fácil,e deve ser isso que procuro:facilidade. Queria poder dizer que não preciso de você,confesso que seria mais fácil,mas estaria mentindo,negando o inegável e confirmando o que está escancarado na cara. Pra que? Pra que ser tão teimosa,egoísta e quiça hipócrita,por ser mais fácil?Por medo?Ou pelo simples fato de ser,quando na verdade nada sou?Será que sou tudo isto mesmo,ou apenas uma criação de sua cabeça,que procura adjetivos pra me traduzir.Somos muito diferente,afirmamos com tanta veemência,que acabamos por acreditar,e fica por isso mesmo,não aprendemos com nossas diferenças,é melhor mesmo ir um pra cada canto,ficar,quietos,afastados,e se assim for melhor,vamos deixar como esta,quem sabe algum dia aprendamos que nossas diferenças tem que ser somadas,e que juntos somos a soma de dois inteiros capazes de coisas inacreditáveis,ou que juntos somos apenas dois estranhos que nunca serão capazes de se tornar mais do que isto,mais que estejamos juntos, afastados, quietos, abraçados, brigando, mas que de qualquer forma estejamos.
Deixar de lado,fingir que não se importa,que é apenas mais um,até parece,como se eu, fosse capaz de botar todas essas palavras para agirem,mais logo eu,que finjo ser forte,que não dou a minima tenho que cair logo agora?Bem na sua frente?Você bem que poderia ajudar,aprender a escolher,não errar tanto,e parar de ter sorte,porque mesmo escolhendo o que acho que é o errado você ainda acerta.É, o problema realmente sou eu,não que não tenha sorte,que não acerte nunca,que seja sempre a errada,mas parece que eu sempre sofro mais,que eu me dilacero sem necessidade,olho em volta e todos estão vivendo normalmente,e eu aqui,não,nunca derramei uma lagrima se quer,meu sofrimento é interno,é comigo mesma,sofro porque penso que posso mais do que realmente sou capaz,pensei que pudesse amar por mim,por você,por nós dois,quando na verdade o meu amor não era suficiente nem pra mim mesma,eu não sou capaz de me amar sem não querer me mudar,e dizem que o amor é isto né,é amar sem querer mudar os defeitos,é amar sabendo as qualidades do outro sem sentir inveja,é amar,simplesmente amar.
Falo como se fosse fácil,e amar é tão difícil, não amamos,apenas gostamos,gostamos muito,e eu ainda te odeio ,você fez com que minhas mascaras caíssem e eu me mostrasse nua as pessoas,e elas viram como sou fraca,mas eu gosto de você,afinal já não preciso mais fingir ser o que não sou.
E nesta briga de sentimentos tento me descobrir,saber quem realmente sou,sem medos nem desculpas,e confesso,acho coisas lindas e encantadoras,mas acho coisas macabras e horrorosas,e agora terminando de vomitar estas palavras descubro que o que procuro não é facilidade,quero apenas alguém que me aceite,não precisa me amar,apenas me aceitar,inteira,como sou.Prometo que vou fazer o máximo pra te aceitar,inteiro,como você é,e quem sabe assim,nos aceitando,não somos capazes de nos amar acima de tudo e de todos? Façamos um trato,se caso não der certo,vamos poupar arrependimentos,mais que sejamos sinceros,sem precisar forjar sentimentos inexistentes e quem sabe assim buscando o amor sem decretar a busca,sendo caçadores sutis,sendo descobridores,sendo detetives,não achemos o tesouro,olha,não vamos esperar nada,se acharmos,ótimo,se não,a caminhada valeu a pena.
Pronto,acabou,agora pode ir,você esta livre,como sempre esteve...





... fica, é fica,só por mais um tempo,você esta livre,mas não tem porque não ficar,então fica,fica aqui relembrando os bons tempos, construindo tempos melhores,se não der certo a gente bota um ponto final e começa outro capitulo,mas fica,me abraça,estou com saudades,é isso,fica,não precisa dizer nada,apenas ficar aqui,calado,abraçado,tendo uma ilusão de estar amando,ou quem sabe estar amando sem ao menos ter noção do que é amar.